fbpx

Experiência de química transforma óleo em sabão

Da esquerda para direita: Professora Elizabet Almeida, Marco de Mendonça, Guilherme Schneider, Yasmin Ferreira e Jessica Gomes.

 

“Na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.” A famosa frase do químico Antoine-Laurent de Lavoisier tem tudo a ver com uma experiência realizada pelos alunos do Colégio Vianna Júnior. Na aula de química da professora Elizabet Almeida, eles aprenderam a transformar óleo de cozinha usado em sabão.

A atividade faz parte do estudo de química orgânica do Ensino Médio. De acordo com a professora, através da experiência no laboratório, os alunos vêem as funções orgânicas que estão presentes na reação química, além das misturas, soluções preparadas e pesagem. “O que deixa eles mais surpresos durante o exercício é pegar um óleo, que vem de uma gordura, depois transformar isso em sabão que será usado para tirar gordura de pratos e talheres. A qualidade do sabão é muito boa”, afirma.

A aluna Jéssica Gomes está no 2° ano do Ensino Médio e quer ser bióloga. Na casa dela, o sabão feito com óleo não é novidade. A mãe dela, junto com a madrinha, fazem o sabão em grande quantidade. Segundo a aluna, isso acaba virando uma programação legal em família e também contribui com a natureza. “O óleo, quando descartado de forma errada, pode contaminar o meio ambiente e gerar grandes problemas. Com isso, a gente pode ensinar as pessoas a aproveitar o óleo sem prejudicar o meio ambiente”, conta.

Descarte errado gera prejuízos

Os danos aos quais Jéssica se refere são muitos. O óleo de cozinha, descartado de forma incorreta, provoca impactos negativos na água, solo e no clima do planeta. Confira como isso acontece:

Na água

Com densidade inferior à da água, quando os dois são misturados, o óleo fica sobre a água, formando uma película que prejudica a entrada de luz e de oxigênio. Assim, os peixes ficam com menos oxigênio disponível, o que pode causar a morte deles. A diminuição da incidência de luz no ambiente aquático, por sua vez, prejudica todos os processos fotoquímicos nos quais ela é importante.

No solo

Ao ser lançado no solo – quando descartado no lixo comum, por exemplo – o óleo acaba infiltrando-se. Assim, ele pode alcançar o lençol freático, poluindo-o. O óleo ainda tem a capacidade de formar uma camada impermeável no solo, impedindo que a água da chuva consiga infiltrar-se, aumentando a o risco de enchentes.

No clima

Além disso, quando bactérias realizam a decomposição do óleo, um dos produtos dessa reação é o gás metano. O problema é que o gás metano, juntamente ao gás carbônico, contribui para o aquecimento do planeta.

Na estrutura pública

Os prejuízos podem chegar até mesmo à estrutura pública. Quando o óleo é descartado no ralo da uma pia, durante seu trajeto na tubulação, acaba aderindo-se às paredes e retendo partículas sólidas diversas. Parte do óleo aderido acaba transformando-se em gordura. Assim, forma-se uma camada sólida desse material e de outros diferentes dejetos, o que pode obstruir a passagem de água, causando alagamentos no interior das residências e também nas ruas.

É muito comum presenciarmos alagamentos nas ruas em virtude do transbordamento do esgoto. Como toda a água utilizada em casa vai para a rede de esgoto, com a obstrução, o esgoto acumula-se, o que causa o transbordamento. Outro problema sério é o fato de que, muitas vezes, para realizar o desentupimento, produtos químicos são utilizados, aumentando a quantidade de substâncias nocivas na água, poluindo-a ainda mais.

Fonte: manualdaquimica.com

Transforme óleo em sabão também!

Depois de saber como o descarte incorreto do óleo residual afeta negativamente o meio ambiente, que tal colocar a mão na massa e fazer seu próprio sabão? A receita usada pela professora Elizabet é:

Ingredientes:

700g de soda cáustica

1L de água

500ml de detergente

1/2 copo de sabão em pó diluído 200ml de água

100ml de álcool

4L de óleo filtrado

Modo de fazer:

Misture a água na soda cáustica até total dissolução. Mas cuidado! Faça isso em banho-maria à frio para evitar o superaquecimento da mistura). Acrescente o detergente, o sabão em pó diluído e, por último, o óleo. Se preferir, acrescente um pouco de anilina colorida. Misture por, no mínimo, 30 minutos ou até obter uma textura cremosa. Coloque e em uma forma de plástico e deixe secar por dois ou três dias. Depois, é só desenformar. Para fazer em maior quantidade, é só multiplicar os ingredientes, respeitando a proporção.

Além do sabão, o óleo residual de cozinha pode ser usado na produção de biodiesel, tintas a óleo e massa de vidraceiro. Em Juiz de Fora, o empreendimento Reciclaminas recolhe o óleo utilizado em residências e vende para outras empresas que aproveitam o óleo na produção de biodiesel. O aplicativo do Reciclaminas está disponível na Google Play. Por ele, o usuário consegue agendar a coleta para que a empresa busque o óleo em casa. Para fazer o download, clique aqui.